Portal Marcas e Patentes

Nós Somos a Proteção da sua Marca

Engenheiro será remunerado por 20 anos por invento para a Petrobras.

Engenheiro será remunerado por 20 anos por invento para a Petrobras.

Um engenheiro mecânico que criou um método de instalação de tubulações em águas profundas para a exploração de petróleo e gás natural terá direito sobre o uso de sua invenção pela Petrobras. A 6ª Turma do Tribunal Superior do Trabalho proveu recurso da empresa apenas para limitar a remuneração ao período de 20 anos, previsto no artigo 40 da Lei de Propriedade Industrial (Lei 9.279/96) como prazo de vigência da patente.

O engenheiro alegou que o cargo que ocupava, de engenheiro de equipamento, não tinha natureza direcionada a pesquisa e criação e, por isso, deveria ser remunerado pela utilização do método criado por ele e mais dois colegas de trabalho em 1999. Em 2007, a Petrobras requereu a patente do método ao Instituto Nacional da Propriedade Industrial (Inpi), e a licença exclusiva foi concedida pelo prazo de 20 anos, retroativos a 1999.

Em sua defesa, a Petrobras afirmou que o contrato de trabalho do engenheiro tinha como objetivo o desenvolvimento de projetos e que o método desenvolvido por ele só foi utilizado para uso próprio. Os ganhos auferidos estariam ligados à produção da plataforma P-36 até a data de seu afundamento, em março de 2001, e não à sua comercialização ou exploração. Segundo a empresa, o invento não gerou lucros, apenas a redução de custos.

Ao analisar as provas processuais, o juízo da 47ª Vara do Trabalho do Rio de Janeiro concluiu que o contrato de trabalho não previa o desenvolvimento de inventos e que os benefícios financeiros obtidos pelo uso da criação deveriam ser divididos em partes iguais, com 50% para o empregador e a outra metade dividida igualitariamente entre os três inventores. O Tribunal Regional do Trabalho da 1ª Região (RJ) manteve a sentença, ressaltando que a redução de custos alegado pela Petrobras alcançou a ordem de milhões de dólares.

No recurso ao TST, a Petrobras insistiu na tese de que a atividade do engenheiro englobava o desenvolvimento de projetos, e a retribuição se limitaria ao salário. Assim, não se poderia determinar qualquer pagamento após 2000, quando ele foi desligado. Caso mantida a procedência, pedia que a remuneração fosse limitada ao prazo de 20 anos da vigência da patente de invenção.

Propriedade intelectual
O relator do recurso, ministro Augusto César de Carvalho, explicou que, de acordo com a Lei de Propriedade Industrial, a chamada “invenção de serviço” decorre do contrato de trabalho que tenha por objeto a pesquisa ou a atividade inventiva. Nesse caso, o empregado não tem nenhum direito sobre a criação, que pertence exclusivamente ao empregador, e a retribuição pelo trabalho limita-se ao salário ajustado, salvo expressa disposição em contrário.

Por outro lado, a invenção de empresa ou de estabelecimento decorre da contribuição pessoal do empregado, que utiliza recursos, dados, meios, materiais, instalações ou equipamentos do empregador. Nesse caso, este possui o direito exclusivo de licença de exploração, mas a propriedade do invento é comum, cabendo o pagamento de uma compensação ao empregado-inventor.

Segundo as premissas registradas pelo TRT-1, o relator concluiu que o caso se enquadrava na segunda hipótese, tendo o engenheiro, portanto, direito à “justa remuneração”.

Com relação à limitação, o ministro observou que a titularidade da propriedade do invento é garantida pela patente que, nos termos do artigo 40 da Lei 9.279/96, é de no máximo 20 anos, após o qual o objeto cai em domínio público. “Se a propriedade da invenção está assegurada pela patente e sua vigência está restringida entre o prazo de 10 a 20 anos, a contar da data da concessão, então, o direito ao recebimento de justa remuneração, que decorre da propriedade em comum do invento, deverá observar a vigência da patente”, concluiu.

A decisão foi unânime. Com informações da Assessoria de Imprensa do TST.

Créditos: Revista Consultor Jurídico

Empresas Fraudulentas estão enviando Boletos em nome do INPI!

Empresas Fraudulentas estão enviando Boletos em nome do INPI!

Cuidado com fraude! Todos os dias temos notícias de que empresas tem realizado o pagamento de boletos fraudulentos, pensando trata-se de boletos enviados pelo Instituto Nacional da propriedade Industrial - INPI. Infelizmente os titulares de marcas e patentes no Brasil ainda estão caindo em um golpe que vem sendo aplicado a vários anos. Com frequência...

Formulário de Pesquisa de Marcas

Para obter informações sobre a situação da Marca do seu negócio, preencha o formulário abaixo. Nossos Agentes de Propriedade Industrial (API), irão contactá-lo(a) (horário comercial) e tirar suas dúvidas a respeito da Pesquisa da sua Marca.

*
*

Importante: Selecione corretamente este campo, para não dar divergência na pesquisa.

*

Exemplo: Confecção, Alimentício, Artístico, Marketing... Descreva o mais próximo possível da sua atividade

*

Importante: Selecione corretamente este campo, sua resposta será fundamental em caso de uma futura disputa, na qual poderá ter que provar a utilização e/ou vínculo com a marca.

Você está somente há dois passos de saber se sua Marca pode ser Registrada e Protegida junto ao INPI, caso esteja liberada, você poderá dar início ao Processso de Registro! Vamos lá?

Importante: O simples preenchimento deste formulário, não acarreta, absolutamente nenhum tipo de cobrança, portanto, fique tranquilo(a)!

Você está quase terminando!

Precisamos de alguns dados... cerca de 1 minuto é o suficiente para para completar os campos abaixo, invista um pouquinho mais do seu tempo para que possamos levantar corretamente a situação da sua Marca!
*

Exemplo: 11 2094-6100 (pode ser o mesmo que o celular)

*

Exemplo: 11 9 9929-3669

*
*
Atenção: 
É necessário escolher um ou mais meios de contato, para que nossos Agentes de Propriedade Industrial, possam retornar e enviar sua pesquisa.

A Pesquisa da Marca, somente é feita junto a base de dados do INPI, esse procedimento não é instantâneo, existem sites que fazem pesquisas automáticas e não autorizadas junto ao INPI, "não caia em armadilhas".

Fornecemos atendimento personalizado, no qual suas dúvidas serão sanada por um Agente de Propriedade Industrial (API) devidamente credenciado junto ao INPI, sem que nenhum custo seja cobrado pelo preenchimento deste formulário e retorno para entrega e esclarecimento da Pesquisa da sua Marca.

Não fazemos spam, ligações a todo instante ou fora do horário comercial e, se informar ao Agente que não quer mais ser contactado(a), iremos atender seu pedido, pois, somos politicamente corretos!

Para retonar a sua solicitação e finalizar o envio deste formulário, desmarque a opção acima: "Não Desejo Contato" porém, se mesmo assim, desejar não saber qual a situação atual da sua Marca, clique aqui para retornar a home  
Importante:

Para que nossos Agentes de Propriedade Industrial, possam contactá-lo(a) e entregar a Pesquisa da sua Marca, é necessário preencher corretamente todos os campos citados como obrigatórios!

Campos e dados incompletos ou "fakes", tais comotelefones ou e-mail... automaticamente irão anular sua pesquisa, portanto, para que você possa realmente saber sobre a situação da sua Marca, certifique-se que, todos os dados estão corretos..., se você já verificou todos os campos, e tudo está certo, clique em: "Solicitar Minha Pesquisa"!  
*
CAPTCHA image

Isso nos ajuda a evitar spam, obrigado.

*

Atendimento ao público: de segunda às sextas-feiras, das 8h30 às 17h30

Endereço: Rua Atucuri, 325 – Chácara Santo Antônio – São Paulo – SP – CEP 03411-000

Telefones: São Paulo: 11 2094-6100 – Rio de Janeiro: 21 4063-8632 – Espírito Santo: 27 4062-9584 – Belo Horizonte: 31 4062-7584 – Curitiba: 41 4063-8113 – Porto Alegre: 51 4062-1820 – Distrito Federal: 61 4063-8523 – Salvador: 71 4062-9514 – Fortaleza: 85 4062-9794

© 2014 – 2018 Portal Marcas e Patentes – Todos os Direitos Reservados – Proibida Reprodução Sem Autorização Prévia